Buscar
  • Henrique Alen Puppi

9 lições que Irving Penn me ensinou sobre fotografia


Ultimamente tenho estudado muitos fotógrafos de moda. Por quê? Eu adoro saber quantos deles começaram como pintores - tendo um conceito em mente e sendo capazes de executá-los na vida real.

Não apenas isso, mas Irving Penn é certamente um dos mestres que não é tão conhecido quanto eu acho que deveria ser.

Quando ouvi falar de Irving Penn pela primeira vez (Helmut Newton foi muito inspirado por eles), primeiro me surpreendi com a grande simplicidade do trabalho de Penn. Os retratos de Penn eram poderosos, íntimos e ao mesmo tempo quietos. Eles tinham domínio composicional. Os ângulos, formas e design de suas imagens mostraram claramente seus conhecimentos de pintura e arte.


Quando mergulhei em seu trabalho, mais fiquei impressionado com seu corpo de trabalho, a variedade de seu trabalho, bem como suas filosofias pessoais.
Abaixo está o que eu pessoalmente aprendi e o que você pode aprender também:


1. Inspire-se através da pintura


Irving Penn nasceu em Nova Jersey e estudou como designer e diretor de arte em Alexey Brodovitch, na Filadélfia, e depois de trabalhar lá por um tempo, ele foi para o México para se tornar um pintor.

No entanto Penn logo percebeu que ele não era um grande pintor. Quando ele percebeu que ele não estava apto para a pintura - ele lavou toda a tinta de suas telas e, eventualmente, começou a trabalhar na Vogue.

Na Vogue, Penn começou a produzir designs de capa, e logo ele acabou escolhendo a fotografia.
Você pode ver no início de seu trabalho como ele foi inspirado pelo minimalismo - como ele colocaria suas modelos contra espaços em branco (eventualmente muitos outros fotógrafos usariam essa técnica, incluindo Richard Avedon). Penn costumava ter seus modelos em um canto de uma parede branca em forma de V, e em seu trabalho acabou por fundir fotografia artística e comercial.

Ao estudar muitos mestres fotógrafos, fico surpreso ao ver quantos deles foram inspirados pela pintura. Se você olhar para o trabalho de Irving Penn - em termos de como é gráfico, você pode ver como ele gravou suas imagens. A paixão de Penn pela pintura e pela arte gráfica aparece em suas fotografias.

O que me faz perceber, se você quer melhorar suas composições fotográficas, não estude tanto fotografia para melhorar esse quesito . Em vez disso, olhe para as outras artes. Estude design gráfico, pintura, desenho ou talvez escultura ou arquitetura.

Faça uma conexão cruzada de seus interesses artísticos e você criará um trabalho genuinamente seu.

2. Estimule seu espectador

Muitos fotógrafos sentem que seu cliente é o sujeito. Minha cliente é uma mulher do Rio de Janeiro que lê a Vogue. Estou tentando intrigar, estimular, alimentar ela .

Minha responsabilidade é com o leitor. O retrato severo que não é a maior alegria do mundo para o assunto pode ser extremamente interessante para o leitor. ”- Irving Penn

A pior coisa que você pode fazer como fotógrafo é aborrecer seu espectador. Você quer criar imagens que estimulem, interessem e estimulem seu espectador.
Você quer apresentar imagens ao seu espectador que as intrigam. Você deseja criar uma história em aberto com suas fotos e permitir que o espectador crie sua própria história (em sua própria mente).

se você é um fotógrafo social que faz upload de fotos on-line ou pública para as pessoas em massa, você é responsável pelo espectador. Se você quisesse criar fotos realmente para si mesmo, não as publicaria on-line. Você iria mantê-los pra si mesmo.

Mas, ao mesmo tempo, você não quer trair sua própria visão fotográfica. Você quer permanecer fiel ao que acha interessante e excitante. E quanto mais suas fotos lhe interessam, maior a probabilidade de elas também interessarem ao espectador.


3. Instigue uma reação de seus súditos

Irving Penn não era conhecido por somente dirigir seus assuntos, mas ele era conhecido por dizer coisas como:
"Qual a sensação de perceber que esse olho, olhando para você é o olho de 1.200.000 pessoas?"
Dizer coisas como essas provocaria uma reação na pessoa que está sendo fotografada - o que muitas vezes seria interessante e chocante.
Quando você está fazendo retratos de outras pessoas, veja como você pode provocar uma reação deles. Você pode fazer isso contando uma piada, contando uma história ou dizendo algo chocante ou inesperado.

Existem muitas maneiras de fotografar um retrato. Alguns fotógrafos não falam nada sobre seus assuntos, enquanto outros fotógrafos tentam envolver seus modelos.
Tente experimentar e ver o que funciona para você.Qualquer coisa, tente equilibrar ambos; experimente ambos não conversando com seu assunto e falando muito. Em seguida, encontre um meio-termo que o ajude a criar as imagens que lhe dão alegria.


4. “Apague o inconsequente”

O trabalho de Irving Penn é famoso por isolar seus sujeitos de seu contexto. Ele faz isso criando cenários simples de branco ou cinza, o que permite ao espectador colocar todo o foco no assunto.
Por que ele começou fazendo isso? Permitiu-lhe alcançar a perfeição gráfica que ele desejava e também:
Faça as coisas manejáveis ​​o suficiente para registrá-las, para remover qualquer coisa sem importância. (Pausa). Porque
menos é mais . ”- Irving Penn

Quanto menos distrações você tiver no fundo, mais foco você terá para o seu assunto.
Eu pessoalmente sou muito influenciado pelo zen japonês e pela estética minimalista. Existe algum tipo de harmonia que ocorre quando você é capaz de tomar todo o caos de uma cena e simplificá-la. Por “podar o inconsequente” - você se concentra no que realmente acha importante na cena.
5. Alimente-se de arte

Eu me alimento de arte mais do que faço fotografias . Eu posso admirar a fotografia, mas eu não iria sair da fome. - Irving Penn


Você precisa se alimentar da arte que lhe dá energia, excitação e criação.
Para Irving Penn, isso significava consumir arte fora da fotografia. Enquanto ele disse que admirava a fotografia, não é onde ele tirou a maior parte de sua inspiração.

Mais uma vez, “coma” a arte que te inspira. Consuma apenas o trabalho dos mestres fotógrafos que o inspiram, ou outras formas de arte. Dança, pintura, teatro, música.

6. Não seja um especialista


"O maior privilégio que tive na fotografia é uma mudança de dieta." - Irving Penn
Quando você olha para o corpo de trabalho de Irving Penn, ele não apenas fotografa moda e retratos no estúdio. Ele fotografou o lixo que encontrou no solo, populações nativas, trabalhadores comuns, comida e também auto-retratos.


Ele fotografou açougueiros. Irving Penn compartilha como, ao mudar seu assunto, ele seria capaz de se inspirar:
Ser um especialista como fotógrafo toda a sua vida pode sem ser entediante. Todos nós ansiamos por desafios. Todos nós desejamos variedade.

Imagine se você comeu a mesma refeição pelo resto da vida. Não importa quão delicioso ou caro, isso ia te aborrecer. Você começaria a enjoar
Então, varie sua dieta. Mude suas refeições. Não atire sempre no que você normalmente fotógrafa. Experimente outras formas de fotografia.
Por exemplo, enquanto a fotografia de rua é minha principal paixão, experimentei fotografia de moda, paisagens e agora fotografia pessoal. Eu acho que às vezes, tentando alguma outra forma de fotografia, minha fotografia de rua é re-inspirada. Experimente diferentes gêneros de fotografia - aqueles que lhe interessam. Então veja como isso pode alimentar suas paixões em outras formas de arte, e vice-versa. 7. Encontre a verdade nos rostos de seus súditos

Irving Penn era famoso por fazer seus modelos repetirem o mesmo gesto ou movimento durante uma manhã inteira. Quando seus modelos ficassem cansados ​​de posar, ele começaria a tirar fotos a sério.
Penn levava quantidades insanas de fotografias - às vezes mais de 200 folhas de imagens.
Ele fez isso porque disse que quanto mais cansava seus súditos, mais eles mostravam “verdade” em seus rostos:
Eu vou encontrar o que é permanente neste rosto. A verdade vem com fadiga . Ele se mostra exatamente como ele é, assim como ele não queria olhar. ”- Irving Penn

Eu sinto que fotografar retratos de alguém (especialmente modelos profissionais) é uma das tarefas mais desafiadoras. Por quê? Porque as pessoas sempre querem mostrar uma versão encenada de si mesmas. Modelos especialmente profissionais - eles têm um certo “visual” dominado.
Mas o que você está tentando encontrar é a verdade em seu assunto. Verdade na cara deles. Você quer desvendar e descascá-los, assim como as camadas de uma cebola.

Então, quando você fotografa um modelo, seja persistente. Continue “trabalhando em cena” e tente capturar um certo visual que você considera genuíno. O mesmo acontece nas ruas - seja persistente com o seu trabalho e continue fotografando até conseguir uma foto com a qual você esteja satisfeito.
Não desista muito depressa e nunca desista da sua busca pela verdade.

8. A câmera é incrível

“Eu mesmo sempre admirei a câmera. Eu reconheço pelo instrumento que é, parte Stradivarius, parte bisturi. ”- Irving Penn
Sinto que, pessoalmente, esqueço a qualidade majestosa de uma câmera. A capacidade de capturar o momento e torná-lo eterno é incrível.
Imagine pessoas de alguns séculos atrás - fazer uma imagem era um processo doloroso. Você tinha que pintar ou desenhar uma cena ou pessoa - o que levaria muito tempo, e nunca seria uma cena com a mesma precisão de uma fotografia.

Irving Penn chama a câmera de "uma coisa linda "
Nunca se esqueça de como você é afortunado por ser um fotógrafo e da magia da fotografia moderna.
9. Encontre beleza em qualquer coisa
“Eu posso ficar obcecado por qualquer coisa se eu olhar por muito tempo. Essa é a maldição de ser fotógrafo. ”- Irving Penn
Eu acho que a obsessão é uma coisa boa. A obsessão é o que impulsiona nossos interesses e paixão.
A coisa que mais me inspira em Irving Penn é como ele percebe que quanto mais você olha para algo, mais interessante ou bonito você o encontrará.
Isto é imediatamente aparente através de suas fotos experimentais “still life” de lixo comum, comida e coisas que as pessoas geralmente ignoram.

Como fotógrafos, estamos sempre em busca de beleza, novidade e coisas de interesse. Mas tudo é interessante, se você olhar de perto o suficiente. É uma questão de mentalidade, de perspectiva e de ser apreciado por toda a beleza do mundo.
#Liberte-se

Espero que você tenha gostado, compartilhe com seus amigos e Vamos Juntos !! AUTOR : HENRIQUE PUPPI

HENRIQUE PUPPI Me tornar um fotógrafo de moda parecia ser um sonho distante. Folheando revistas de moda e observando como eram feitas todas as composições, estéticas e as histórias que elas transmitiam. Fotógrafo profissional há 3 anos. É empreendedor e apaixonado pelo que faz. E está sempre em busca de despertar a sua paixão pela fotografia em outras pessoas e aprender com outros apaixonados!

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo